Daniel Jorge
A poesia faz a gente ver a vida de forma diferente, mesmo enfrentado tudo e todos.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
26/03/2018 12h00
CARDEAL DOM ORANI TEMPESTA SOBRE IDEOLOGIA DE GÊNERO

Em matéria publicada no dia 25 de março de 2014, no blog O Povo On-line, o cardeal Dom Orani João Tempesta recorda aos brasileiros que as premissas que dizem sustentar a implantação da Ideologia de Gênero, não podem ser acolhidas: “Ela oferece às pessoas a ilusão de que serão plenamente livres em matéria sexual, contudo, uma vez que essas pessoas tenham tomado a mentira por verdade, são aqueles que detêm o poder real que escolherão, a seu beneplácito, o modo como o povo deverá – padronizadamente – exercer a sua sexualidade sob o olhar forte do Estado que tutelaria para que cada um fizesse o que bem entendesse”, afirma Dom Orani. E acrescenta: “é preciso fazer a nossa parte conhecendo e apresentando ao público a verdadeira face da Ideologia de Gênero escondida atrás de uma fantasia carnavalesca. Olha-nos sorridente para conquistar-nos. Uma vez conseguido seu intento, fecha sua carranca e ataca-nos impiedosamente para destruir a vida, a família e os valores sociais alicerçados na lei natural moral que ensina a fazer o bem e evitar o mal”.

Confira mais informações

Por que querem anular a lei que proíbe Ideologia de Gênero nas escolas de Picos?


Publicado por Daniel Jorge em 26/03/2018 às 12h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
25/03/2018 12h00
PAPA EMÉRITO BENTO XVI SOBRE IDEOLOGIA DE GÊNERO

Em Dezembro de 2012, o Papa Bento XVI referiu-se, num discurso à cúria romana, que o uso do termo “gênero” pressupõe uma “nova filosofia da sexualidade”. Diz ele:

De acordo com esta filosofia, o sexo já não é considerado um elemento dado pela Natureza e que o ser humano deve aceitar e estabelecer um sentido pessoal para a sua vida. Em vez disso, o sexo é considerado pela Ideologia de Género como um papel social escolhido pelo indivíduo, enquanto que no passado, o sexo era escolhido para nós pela sociedade. A profunda falsidade desta teoria e a tentativa de uma revolução antropológica que ela contém, são óbvias”, afirma. Para acrescentar: “as pessoas [que promovem a Ideologia de Género] colocam em causa a ideia segundo a qual têm uma natureza que lhes é dada pela identidade corporal que serve como um elemento definidor do ser humano. Elas negam a sua natureza e decidem que não é algo que lhes foi previamente dado, mas antes que é algo que elas próprias podem construir”.

Bento XVI recorda que “de acordo com a ideia bíblica da criação, a essência da criatura humana é a de ter sido criada homem e mulher. Esta dualidade é um aspecto essencial do que é o ser humano, como definido por Deus. Esta dualidade, entendida como algo previamente dado, é o que está a ser agora colocado em causa”. Conforme o Santo Padre, “quando a liberdade para sermos criativos se transforma em uma liberdade para nos criarmos a nós próprios, então é o próprio Criador que é necessariamente negado e, em última análise, o ser humano é despojado da sua dignidade enquanto criatura de Deus que tem a Sua imagem no âmago do seu ser”.

O Papa Bento XVI alerta os cristãos para o fato de que: “a Ideologia de Gênero é uma moda muito negativa para a Humanidade, embora se disfarce com bons sentimentos e em nome de um alegado progresso, alegados direitos, ou em um alegado humanismo”. Por isso, a Igreja Católica reafirma diz ele, “o seu assentimento em relação à dignidade e à beleza do casamento como uma expressão da aliança fiel e generosa entre uma mulher e um homem, e recusa e refuta as filosofias de gênero, porque a reciprocidade entre o homem e a mulher é a expressão da beleza da Natureza pretendida pelo Criador”.

Confira mais informações

Por que querem anular a lei que proíbe Ideologia de Gênero nas escolas de Picos?


Publicado por Daniel Jorge em 25/03/2018 às 12h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
24/03/2018 12h00
CONSEQUÊNCIAS DA IDEOLOGIA DE GÊNERO NA VIDA FAMILIAR E SOCIAL

A Doutora e Mestre em Direito Civil – Regina Beatriz Tavares da Silva, também em artigo publicado no livro Ideologia de Gênero, explica que: “a introdução desse tipo de ideologia, na educação de uma criança, é uma violência, já que a pessoa não tem, na infância, conhecimento de se mesma... O menino e a menina, submetidos a esse tipo de ideologia, não saberão a qual das duas categorias pertencem. Assim, o pretexto de resolver o problema da desigualdade, cria-se outro ainda mais grave: o problema da identidade” – (Pág. 272). Ela acrescenta que: “a implantação da ideologia de gênero na educação das crianças colocará em dúvida a sua identidade, com grandes chances de torna-las sujeitas à disforia de gênero, que é a inadaptação da pessoa ao seu sexo biológico... se o sexo é neutro, a criança perguntará a se mesma: sou menino ou menina?” – (Pág. 273).

Citando a American College of Pediatricians, uma das associações médicas de pediatria mais influentes dos Estados Unidos, a Doutora Regina Beatriz destaca: “a crença de uma pessoa de ser algo que ela não é, na melhor das hipóteses, é um sinal de pensamento confuso.” E acrescenta: “quando um menino, biologicamente saudável, acredita que é uma menina, ou uma menina, biologicamente saudável, acredita que é um menino, existe um problema psicológico objetivo, que está na mente, não no corpo, e deve ser tratado (...). Essas crianças sofrem de disforia de gênero, formalmente conhecida como transtorno de identidade” (...). Citando o Manual Diagnóstico e Estatístico da American Psychiatric Association, a Doutora Regina Beatriz revela que: “98% dos meninos e 88% das meninas confusos com seu gênero aceitam o seu sexo biológico naturalmente ao passar a puberdade” – (Pág. 275). Ela conclui esclarecendo que: “cabe à escola e à família educar. Na escola, transmitem-se conhecimentos indispensáveis a formação da pessoa. Na família, educa-se a pessoa, com sua efetiva formação” – (Pág. 277).

Confira mais informações

Por que querem anular a lei que proíbe Ideologia de Gênero nas escolas de Picos?


Publicado por Daniel Jorge em 24/03/2018 às 12h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
23/03/2018 12h00
FINALIDADE POLÍTICA DA IDEOLOGIA DE GÊNERO

Diante das finalidades políticas apontadas pelos ideólogos de gênero, o professor, conferencista e consultor em direito público André L. Costa-Corrêa em artigo publicado no livro Ideologia de Gênero, adverte: “não cabe à sociedade, aos agentes normativos e ao Estado a elaboração de normas jurídicas que promovam distinções ou igualdade em face de ‘gêneros sociais’ porque a Constituição Federal vigente estabelece, de forma basilar, igualdade de direitos, deveres e garantias aos indivíduos em nosso Estado Democrático de Direito” – (Pág. 99). Ele acrescenta ainda que: “toda e qualquer política pública que promova ‘gêneros sociais’ (ou, a ideologia de gênero sob a ótica dos movimentos das minorias sexuais) deve ser reconhecida como inconstitucional porque desvirtuará a distinção promovida pelo legislador constituinte entre ‘gêneros biológicos’ e porque descaracterizará a dignidade humana como fundamento para tratamento igual entre os cidadãos” – (Pág. 101).

Confira mais informações

Por que querem anular a lei que proíbe Ideologia de Gênero nas escolas de Picos?


Publicado por Daniel Jorge em 23/03/2018 às 12h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
22/03/2018 12h00
CONCEITO DE GÊNERO

Em artigo publicado no livro Ideologia de Gênero, o advogado Paulo Henrique Cremoneze afirma: “a Ideologia de Gênero sustenta a convicção segundo a qual não existe apenas a mulher ou o homem, mas que existem também ‘outros gêneros’, razão, portanto, justificadora do esvaziamento dos gêneros concretos e naturais por conta dos supostos outros gêneros, sejam lá quais forem estes”. E acrescenta: “curiosa a esquizofrenia coletiva dos defensores dessa ideologia porque afirmam que os gêneros reais, concretos, naturais, masculino e feminino são meras construções sociais, mas ignoram que os tais outros gêneros é que são, de fato, construções sociais, baseadas não na verdade fenomênica, mas nas bandeiras ideológicas”. Ele afirma que: “ao conceituar que os gêneros são construções sociais, os partidários da Ideologia de Gênero afrontam as Leis de Deus e, também, as dos homens, sendo que no caso do Brasil, a própria Constituição Federal” – (Pág. 41).

Neste sentido, o advogado Paulo Henrique Cremoneze também recorda que: “invocar a garantia fundamental constitucional da dignidade humana para subverter a ordem natural, a tradição e o próprio Direito, é algo inaceitável e sem base jurídica, algo que deriva apenas da bandeira ideológica de um grupo minoritário, mas histérico”. Ele acrescenta que: “em vez de buscar no próprio Direito e pelo consenso social algumas regras para o bem-estar de homens e mulheres que psicologicamente se sentem pertencentes ao sexo oposto aos seus, os partidários da Ideologia de Gênero querem mudar a natureza e o senso comum, eliminando a verdade e os sexos, desestruturando a sociedade e ameaçando sua saudável existência”. E conclui afirmando: “toda e qualquer ação empreendida com vistas a implementar, de algum modo, a Ideologia de Gênero é algo manifestamente inconstitucional e ilegal” – (Pág. 67).

Confira mais informações

Por que querem anular a lei que proíbe Ideologia de Gênero nas escolas de Picos?


Publicado por Daniel Jorge em 22/03/2018 às 12h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 4 de 9 1 2 3 4 5 6 7 8 9 [«anterior] [próxima»]