Daniel Jorge
A poesia faz a gente ver a vida de forma diferente, mesmo enfrentado tudo e todos.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
21/03/2018 12h00
“É NA ESCOLA QUE SE APRENDE A RESPEITAR AS DIFERENÇAS”

Esta é uma afirmação escandalosamente equivocada. Se existe um lugar onde é possível aprender a respeitar as diferenças, este lugar chama-se família. É na família onde a criança aprende à importância da diferença e o quanto as diferenças podem dignificar a vida humana. É na família que a criança compreende que embora o pai e a mãe sejam diferentes fisicamente, eles se complementam. E dessa complementariedade entre o homem e a mulher nascem novas vidas. Eis aí a beleza da diferença! Assim, no tempo oportuno o filho ou a filha vai compreender que as pessoas são livres, e fazendo uso de sua liberdade pode escolher ou não seguir o propósito de Deus para sua vida. E que, independente da escolha que façam, precisam ser respeitadas e amadas, por uma simples razão: são imagem e semelhança de Deus. Agora, é importante deixar claro que o fato de respeitar e amar uma pessoa, não significa de maneira alguma concordar ou promover seus ideais de vida.

Confira mais informações

Por que querem anular a lei que proíbe Ideologia de Gênero nas escolas de Picos?


Publicado por Daniel Jorge em 21/03/2018 às 12h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
11/01/2018 12h16
Psicopatas

O psicopata não sente culpa, não sabe o que é o arrependimento interior, mas foge da vergonha exterior com uma obstinação inflexível, defendendo com a ferocidade de mil leões o único patrimônio moral que possui: o amor próprio. Aquele mesmo amor próprio que o cristão destrói sistematicamente todos os dias ao confessar seus pecados num tribunal interior onde o auto-engano não escapa ileso, é para o psicopata o supremo bem, a arma da qual depende para garantir sua subsistência, sua ascensão social, seu sucesso no mundo. Mesmo pego em flagrante, exibida ante os olhos do mundo a prova do seu crime, ele jamais admitirá: “Pequei, necessito do perdão.” Ele jamais sofrerá interiormente por ter feito o mal, por ter prejudicado um inocente, por ter lesado um irmão, por ter arruinado um amigo ou atacado covardemente um inimigo pelas costas. Em vez disso, produzirá do nada os mais extraordinários subterfúgios e racionalizações, apelando, se necessário e possível, ao mais rebuscado e postiço arremedo de erudição, para não dar o braço a torcer. Nenhuma lágrima de arrependimento correrá sobre a sua face, nenhum sincero pedido de perdão brotará da sua boca.

Trecho do artigo “Psicopatas” de autoria de Olavo de Carvalho, publicado na Mídia Sem Máscara, 5 de novembro de 2013


Publicado por Daniel Jorge em 11/01/2018 às 12h16
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
10/01/2018 12h12
Limite da moderna compreensão da realidade e topografia da Fé

Acomoda-nos à nossa perspectiva, ao visível no sentido mais amplo do termo, àquilo que cabe debaixo dos nossos instrumentos de medir e de pesar. A metodologia da ciência natural baseia-se nessa delimitação ao fenômeno. É o que parece bastar-nos. Sentimo-nos aptos a manejar tais meios, criando para nós um mundo em que possamos viver como homens.

Com isso desenvolveu-se, paulatinamente, no pensamento e no viver modernos, um conceito novo de verdade e realidade, que domina como hipótese do nosso pensamento e da nossa expressão, em geral sem que o percebamos, conceito, porém, que só poderá ser dominado, se for, por sua vez, exposto ao exame da consciência.

Aqui se torna patente a função do pensamento não científico-natural, a saber, a função de analisar o aceito ou imposto sem consideração, e de colocar, frente à consciência, a problemática humana de uma tal orientação.

Trechos do livro “Introdução ao Cristianismo” de Joseph Ratzinger (Papa Emérito Bento XVI), Página 19.


Publicado por Daniel Jorge em 10/01/2018 às 12h12
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
09/01/2018 12h04
Vocação , segundo Olavo de Carvalho

Vocação vem do verbo latino voco, vocare, que quer dizer “chamar”. Quem faz algo por vocação sente que é chamado a isso pela voz de uma entidade superior — Deus, a humanidade, a história, ou, como diria Viktor Frankl, o sentido da vida.

Considerações de lucro ou prazer ficam fora ou só entram como elementos subordinados, que por si não determinam decisões nem fundamentam avaliações.

Trechos do artigo “vocações e equívocos” de Olavo de Carvalho


Publicado por Daniel Jorge em 09/01/2018 às 12h04
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
08/01/2018 01h02
ESPIRITUALIDADE: Chamado universal à santidade

Uma das maiores obrigações de um cristão é a de aspirar seriedade ao pleno desenvolvimento de sua vida sobrenatural iniciada no batismo, ou seja, aspirar à mais autentica e genuína santidade cristã.

O próprio Cristo exorta seus discípulos quando diz: “Sede, portanto, perfeitos como vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5,48). Ao propor a todos os seus discípulos, a perfeição de seu Pai celestial como modelo e exemplo que todos os cristãos devem imitar, não colocou limite e nem termo algum ao ideal de santidade para o qual devem tender com todas suas forças.

E Jesus Cristo ainda acrescenta: “com todo coração, com toda alma, com toda mente e com todas as forças” (Mc 12,30). Conclui-se aqui, que a vocação a santidade consta explicitamente no Evangelho. E a Igreja sempre manteve essa doutrina desde os tempos apostólicos.

Trechos do livro: “Ser ou não ser Santo... Eis a questão”. Autor: Padre Antonio Royo Marin. Páginas 23 e 24.


Publicado por Daniel Jorge em 08/01/2018 às 01h02
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 5 de 9 1 2 3 4 5 6 7 8 9 [«anterior] [próxima»]