Daniel Jorge
A poesia faz a gente ver a vida de forma diferente, mesmo enfrentado tudo e todos.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Logo no primeiro paragrafo deste capítulo, Roger Scruton afirma que “o triunfo da constituição dos EUA foi fazer da propriedade privada e da liberdade individual características inalienáveis, não somente para o plano político, mas também para o próprio pensamento político”. Neste contexto Scruton recorda que “longe de ver o consumismo como consequência necessária da democracia, à esquerda enodou-se na tentativa de mostrar que o consumismo não é democracia, senão uma democracia que se desventurou”. E continua:
 
O radical americano é um esnobe inveterado e persistente. Mas ele mantém a fé na democracia. Essa fé, na verdade, é essencial para sua autoimagem. Ele se considera um defensor do homem comum contra o jugo do capitalismo, e da liberdade individual contra as “estruturas” de autoridade e poder. Sua reação aos hábitos do homem comum com relação à propriedade está impregnada pelo idealismo”, - (Pág. 39-40).
 
Um dos pensadores mais influentes a este respeito é Ronald Dworkin, teórico da constituição do EUA, professor de jurisprudência em Oxford e de Direito em Nova Iorque. Dworkin identifica três princípios centrais que determina uma forma de “positivismo legal”. Primeiro, “a lei distingue-se de padrões sociais por sua conformidade a alguma “regra mestra” (...) Esta “regra mestra” determina completamente se um dado requisito é de lei”. Segundo, “todas as dificuldades e indeterminações na lei são resolvidas por “discricionariedade judicial”, e não pela descoberta de respostas genuínas a questões legais independentes”. E por fim, “uma obrigação legal existe quando, e somente quando, um estado de direito a impõe”, - (Pág. 43). Dworkin conclui que esta ideia está errada e da mesma forma estão todos os três princípios dos quais ela emerge.
 
Por sua vez, Scruton assegura que “podemos interpretar os argumentos de Dworkin como ressuscitando a ideia de justiça natural. Lei requer adjudicação; adjudicação requer uma atitude com princípios relacionados ao caso particular; e esta atitude requer que vejamos o julgamento não como uma decisão, mas como uma descoberta; finalmente, a descoberta convida-nos ao acordo com os outros, e responde a “gravitação” de outros julgamentos”, - (Pág. 45). E continua: “a verdade desta visão da lei é, parece-me, efetivamente, confirmada pela história moderna, na qual toda revolução “socialista” envolveu a abolição da independência judicial e, com ela, o Estado de direito”.
 
Roger Scruton também ressalta que “Dworkin é um intelectual da ‘costa leste’, suas causas são causas do establishment – desobediência civil, discriminação positiva, liberdade sexual; seus modos são os do establishment – fogos de artificio intelectuais, sabedoria afetada, deboche cosmopolita da consciência comum em seus modos ordinários e estabelecidos, uma presunção de que seu oponente deve sempre carregar o ônus da prova”. E conclui: “para Dworkin, como para muitos de sua geração, a posição liberal de esquerda está tão obviamente correta que cabe ao conservador refutá-la, e não ao radical provar seus fundamentos”, - (Pág. 47).
 
MATÉRIAS RELACIONADAS
 
Artigo1: SUGESTÃO DE LIVRO: Pensadores da Nova Esquerda
 
Artigo2: CAPÍTULO I – Pensadores da Nova Esquerda - O que é esquerda?
 
Artigo3: CAPÍTULO II – Pensadores da Nova Esquerda – E. P. Thompson
Daniel Jorge
Enviado por Daniel Jorge em 28/06/2018
Alterado em 03/07/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários