Daniel Jorge
A poesia faz a gente ver a vida de forma diferente, mesmo enfrentado tudo e todos.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Os ideólogos esquerdistas desenvolveram ao longo da vida, uma espécie de necessidade de terem sempre em vista um inimigo. A este respeito, Roger Scruton assim se expressa: “na busca subsequente pela autenticidade, o esquerdista tem uma necessidade permanente de um inimigo. Seu sistema é de destruição (...). Já que ele não tem valores, a seu pensamento e a sua ação pode ser dada somente uma garantia negativa. Ele deve fortalecer-se ao desmascarar os enganos dos outros”, - (Pág. 56). Scruton acrescenta que “este desmascarar não pode ser feito de forma decisiva. Ele deve ser perpetuamente renovado, para assim preencher o vácuo moral que existe no centro da existência”.
 
Neste contexto destaca-se Michael Foucault, filósofo social, historiador das ideias e representante da esquerda francesa. Foucault se revela “o mais poderoso e ambicioso daqueles que buscaram desmascarar a burguesia”. De acordo com Roger Scruton, “Foucault é incapaz de encontrar oposição sem imediatamente ascender, sob o impulso de sua energia intelectual, à perspectiva “teórica” superior, da qual a oposição é vista nos termos dos interesses que ela busca”.
 
E Scruton continua: “o tema que unifica a obra de Foucault é a busca pelas secretas estruturas de poder”. Portanto, afirma Scruton “poder é o que ele deseja desmascarar por trás de toda prática, de toda instituição e da própria linguagem”. Roger Scruton recorda que Foucault “descreveu seu método como uma “arqueologia do saber” e seu objeto como verdade – verdade considerada como o produto do “discurso”, tomando tanto o conteúdo quanto a forma da linguagem na qual é transmitida”, - (Pág. 59).
 
Partindo da afirmativa de Foucault de que a Revolução Francesa foi uma “rebelião contra o judiciário”, e, portanto, deduzindo que “a natureza de toda revolução é honesta”, Roger Scruton lança uma pergunta inevitável: Mas o que isso significa na prática? Em sua análise Scruton conclui que “isso significa que a criminalidade do ato será tão imprevisível quanto a pena na qual incorre, pois nenhuma lei poderia existir que determinasse o resultado”. E acrescenta:
 
Isso significa que toda “justiça” será reduzida a uma “luta” entre facções opostas, no qual, presumivelmente, aquele que fala com a voz do proletariado receberá o prêmio. E a fim de provar que fala com a voz do proletariado, precisa fazer só uma coisa: superar seu oponente. Ao fazê-lo, ele chamará a si mesmo de juiz e santificará sua ação com a ideologia da ‘justiça proletária’”, - (Pág. 72 - 75).
 
Na parte final de sua análise, Roger Scruton ressalta que “somente a maior ingenuidade sobre a natureza e a história humana, que pode permitir a Foucault acreditar que sua “justiça proletária” é uma forma de justiça, ou que, na luta em busca dela, ele está “libertando a sociedade da ferrugem do poder” (...)”. Assim, explica Scruton, “ele aponta para uma tirania ainda maior que aquela contra a qual ele luta”. E conclui: “parece-me que as ingenuidades politicas de Foucault são um resultado direto de uma falsa ideia de “essência”, de acordo com a qual a essência das coisas humanas nunca reside na superfície, mas sempre nas profundidades “escondidas”. A busca por esta “profundidade” é, de fato, a maior superficialidade”, - (Pág. 73 - 74).
 
MATÉRIAS RELACIONADAS
 
Artigo1: SUGESTÃO DE LIVRO: Pensadores da Nova Esquerda
 
Artigo2: CAPÍTULO I – Pensadores da Nova Esquerda - O que é esquerda?
 
Artigo3: CAPÍTULO II – Pensadores da Nova Esquerda – E. P. Thompson
 
Artigo4: CAPITULO III – Pensadores da Nova Esquerda – Ronald Dworkin
Daniel Jorge
Enviado por Daniel Jorge em 03/07/2018
Alterado em 12/07/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários